Situação atual da tuberculose em Guaíba é tema de palestra

No Dia Mundial de Combate à Tuberculose, uma palestra pública apresentou a situação atual da tuberculose em Guaíba. O encontro aconteceu no auditório da Prefeitura nesta sexta-feira (24). Nos últimos cinco anos, o município registrou média de 76,5 casos.

Do índice, a maioria é do sexo masculino e na faixa etária entre 25 e 45 anos. No período, a taxa de cura foi de 67% dos casos. O número seria maior se boa parte dos pacientes não procurasse atendimento médico tardiamente e não abandonasse o tratamento.

O secretário de Saúde, Itamar Costa, abriu o encontro ressaltando a importância de prevenir a tuberculose:

“Estamos combatendo todas as doenças, não adianta esperar acontecer. Para isso, precisamos dessa integração também da população”, afirmou.

Em seguida, o doutor João Antônio de Miranda, médico e pneumologista e tisiologista, apresentou os dados de Guaíba e reafirmou os cuidados que a população precisa adotar.

“É a doença infecciosa que mais causa mortes no mundo, mais até do que o vírus HIV e a malária. Porém, pacientes que atentam aos sintomas e não abandonam o tratamento possuem altas chances de cura. Tosse por mais de três semanas, perda de apetite e de peso, fraqueza, febre e suor noturno são os sinais de que a pessoa deve procurar um posto de saúde”, alertou.

A diretora de Saúde de Guaíba, Luciana Maris, elogiou a equipe do Serviço de Tisiologia da Secretaria de Saúde:

“Essa equipe é premiada pelo Ministério da Saúde e realiza um trabalho impecável, inclusive de comprometimento com pacientes e familiares, na medida que fazem até visitas nas casas visando um tratamento ainda mais ágil e eficaz”, ressaltou.

Embora o número de casos de tuberculose em Guaíba tenha diminuído em cerca de 40% entre 2013 e 2016, o município ainda está entre os 15 considerados prioritários pelo Estado no combate à doença.

Fotos: Gustavo Gossen