Caminhada marca o Dia Nacional da Luta Antimanicomial

Mais de 100 pessoas participaram da Caminhada da Luta Antimanicomial, que aconteceu nesta quinta-feira (18). O evento foi promovido pela Secretaria de Saúde, através da Coordenação de Saúde Mental, e contou com a presença de usuários, familiares, trabalhadores da Rede de Saúde Mental, além de parceiros.

Antes do início da caminhada, Ednei Leopoldo, um dos usuários do serviço, tomou a palavra e exaltou o trabalho realizado pelo Centro de Atenção Psicossocial (CAPS):

“É o lugar onde podemos viver, falar, nos expressar. A luta é diária, mas os profissionais que lá trabalham são ótimos e os vejo como amigos. Além de tratamento, eles nos dão esperança de um futuro melhor, pois encontramos uma nova vida, uma nova trajetória, um rumo diferente para a nossa história tão cheia de sofrimento. No CAPS, posso dizer que a felicidade voltou”, disse.

O elogio é semelhante ao de Rodrigo Azevedo, que também recebe o tratamento:

“Esses profissionais são a nossa segunda família. Há anos me trato no CAPS e sem eles eu não seria nada”, agradeceu.

Em seguida, o prefeito José Sperotto iniciou a atividade:

“Cada um de nós tem a sua importância. Fica o nosso reconhecimento e agradecimento ao trabalho que é desenvolvido para essas pessoas que tanto precisam da nossa atenção e do nosso amor. A Prefeitura está engajada com essa causa”, afirmou.

O secretário de Saúde, Itamar Costa, também valorizou a dedicação dos profissionais da área de Saúde Mental:

“Isso é uma causa que quero sempre colaborar, não apenas como secretário como também como cidadão. Os profissionais da Saúde Mental, além de muito competentes, possuem um amor muito grande pelo que fazem. Vamos continuar acreditando e investindo nessa área tão importante”, ressaltou.

Da Prefeitura, a caminhada seguiu até a praça Dr. Gastão Leão, no Centro, onde aconteceram outras atividades e a distribuição de panfletos explicativos sobre a luta antimanicomial e reforma psiquiátrica.



Dia Nacional da Luta Antimanicomial

A data marca as mobilizações em torno do fechamento de manicômios e a formalização de novas legislações, a implantação da rede de saúde mental e atenção psicossocial e da instauração de novas práticas em um importante movimento de Reforma Psiquiátrica Brasileira, uma referência internacional.

Centro de Atendimento Psicossocial

Os CAPS acolhem pacientes com transtornos mentais, estimulam a integração social e familiar, assim como visam apoiá-los na busca da autonomia. A característica principal é integrá-los a um ambiente social e cultural.

Fotos: Gustavo Gossen